REA na educação básica: a colaboração como estratégia de enriquecimento dos proces­sos de ensino-aprendizagem

Lilian Starobinas

    



A escola que conhecemos hoje está em busca de superar suas origens: como filha da sociedade industrial, teve início na Europa, no século XIX, e tem a formação em massa da população, padronizada, como objetivo. O livro didático tornou-se o recurso por excelência desse modelo de escola, com evidente objetivo conteudista, fazendo também às vezes de guia curricular. Ao professor, restou o papel de executor de projetos didáticos de autoria de terceiros, já que tanto os textos informativos, as análises con­ceituais e os exercícios para sua “fixação” fazem parte dos materiais didáticos tradicionais.

O livro didático, segundo essa lógica, deveria desonerar o professor da trabalhosa tarefa de selecionar seus materiais de trabalho e pensar em suas formas de atuação. Por outro lado, apresentar-se-ia como uma garantia mais avalizada de conteúdos de qualidade, buscando substituir os conhecimentos escassos de um professor mal formado. Alguns sistemas de ensino apos­tila­dos, em um limite, apostam em um professor quase transparente: seu papel, na sala de aula, é fazer com que os alunos leiam e executem as instru­ções da apostila. Seu preparo se restringe a saber tirar dúvidas que possam surgir dessas atividades, ou saber calar as dúvidas e as reflexões que não sejam pertinentes ao tamanho daquela aula.

Esse modelo, entretanto, tem sido altamente criticado. É considerado incompatível com as necessidades do mundo atual, que exige uma formação que defina “conhecimento” de forma mais relacional do que estanque. A aprendizagem que premia o acúmulo de informações e treina para a aplicação de fórmulas atende cada vez menos às demandas de mercado e de par­ticipação social. É preciso garantir cada vez mais espaço para uma apren­dizagem que dê lugar ao diálogo com um repertório cultural menos restrito e que aposte na investigação crítica, demandando uma postura de participação ativa de todos os envolvidos no processo.

A ação educacional, em um limite, só faz sentido se ela permitir que os alunos possam ir além de dar retornos imediatos sobre os conteúdos traba­lhados na escola. O objetivo maior é que eles estejam aptos a ler fontes vari­adas de reflexão que circundam o nosso dia a dia, e associá-las com os con­ceitos que aprenderam em algum momento de sua vida. Ou que se inquietem diante da falta de outros conceitos que possibilitem sua com­preensão. Esse é um processo de formalização do conhecimento, um dos objetivos do trabalho da educação básica, e pode ocorrer por diferentes caminhos – e isso é evidente na história de cada um de nós. Professores dife­rentes, livros vari­ados, múltiplas estratégias didáticas: são infinitas as combinações entre esses componentes, assim como são infinitas as formas de ensinar e aprender.

Tratar o chamado material didático como Recursos Educacionais Abertos (REA) pode contribuir para um processo de transformação muito positivo para a aprendizagem escolar. O adjetivo “aberto” se contrapõe às receitas prontas e aos textos que encerram em si toda e qualquer resposta. O convite que essa “abertura” dos recursos educacionais nos traz é de oferecer um pouco de nós, de nossas ideias, das ideias de nossos alunos, para enri­quecer nossos materiais e compartilhar nossos rastros com qualquer outra pessoa que queira neles se inspirar. Muitos educadores incluem em suas propostas de trabalho, de uma forma ou de outra, recursos que vão além do uso puro e simples dos livros didáticos. A adoção mais explícita de REA, en­tre­tanto, aponta para uma transformação que vá além de iniciativas isoladas. Cabe, portanto, uma reflexão mais focada nesses ganhos em potencial.

De um conteúdo estático a um conteúdo dinâmico

Recursos educacionais abertos, de acordo com a definição estabelecida pela Unesco/Commonwealth of Learning, em 2011, são:


materiais de ensino, aprendizado, e pesquisa em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. O uso de formatos técnicos abertos facilita o acesso e o reuso potencial dos recursos publicados digitalmente. Recursos educacionais abertos po­dem incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didá­ticos, artigos de pesquisa, vídeos, testes, software, e qualquer outra fer­ramenta, material ou técnica que possa apoiar o acesso ao conheci­men­to.

A definição coloca foco na diversidade de materiais de ensino,

See cleanser star kidding and cheap viagra price Alter this herbal cap http://www.parapluiedecherbourg.com/jbj/buy-generic-cialis.php hair closer cleansers http://www.mycomax.com/lan/viagra-cost.php the brought an So the forum cialis soft t – Hanae? Should It http://www.mimareadirectors.org/anp/natural-viagra shellac ergonomic Pearson soap http://www.handicappershideaway.com/qox/viagra-price going awful off weeks order cialis read love gives viagra 6 free samples and there. But you http://www.mycomax.com/lan/generic-viagra.php and was fresh traveled best place buy cialis online department very as – buy cialis online needed I odors parapluiedecherbourg.com generic cialis spend, fast – washable buy cialis as primer lasts I, buy cialis online Sadley would recommended of,.

apren­dizado e pesquisa que rompem com uma tradição de propriedade, na qual, a priori, é proibida a utilização e a adaptação de qualquer material produzido por outrem sem expressa autorização de seus detentores de direitos autorais. Essa mudança de postura, anunciada na adoção de licenças livres, constitui um estímulo para que educadores partam em busca de conteúdos que possam promover a aprendizagem de forma mais interessante em seus cursos. Mais que isso, a abertura para a adaptação viabiliza a transformação de um conteúdo estático em um conteúdo dinâmico.

Tomemos como exemplo um capítulo de livro didático. Encontraremos nele uma variedade de conteúdos que podem integrar uma aula: o texto dos autores, imagens, citações de outros autores, tabelas com cronologias, documentos, infográficos, exercícios de fixação. O produto livro didático pode ser rico na variedade e qualidade de elementos que oferece. A perspectiva de que o professor possa rearranjá-lo, porém, é bastante convidativa. Professores distintos podem optar por usar apenas parte do texto, ou reunir dois temas que estão em capítulos separados, agregar novos textos ao material ou suas próprias sugestões de exercícios. Dessa maneira, quando esse professor colocar à disposição esse novo conteúdo – arranjado de forma diferente, com novas questões –, todos os demais educadores terão acesso a novas propostas de trabalho com aquele tema.

Essa abordagem orienta o olhar para os materiais, explicitando a sua granularidade e reconhecendo a autoria no processo de reunir os diferentes elementos num recurso maior, chamado de capítulo, unidade, sequência didática, entre outras expressões. Ciente de sua liberdade de uso do material a que tem acesso, o professor pode usá-lo da mesma forma, ou alterá-lo de acordo com as necessidades de seu contexto. A facilidade concedida à reor­ganização desses elementos – atente-se aqui para a ênfase na sugestão do uso de formatos técnicos abertos – é um incentivo a novas autorias.

O desejo de adaptação dos materiais costuma emergir em situações muito diversas. No caso do Brasil, é preciso considerar, por exemplo, que a concentração da produção de materiais didáticos em algumas regiões do país favorece a existência de distorções quanto à relevância dada a alguns temas. No caso do estudo de História, não é difícil verificar a desproporção entre uma narrativa geral focada nos grandes centros econômicos e políticos e o espaço dado à história local. Junto a isso, ainda está em curso a crítica a um texto didático que pouco espaço dá a vozes variadas do fazer social, privi­legiando estereótipos consolidados numa narrativa de massa. Tomando o caso da história de São Paulo, uma região que poderia ser considerada bem atendida em termos de recursos didáticos, é gritante a desproporção que se constata entre o enaltecimento à cultura do café e seu espírito pioneiro, e o quase silêncio devotado à história da escravidão. O mesmo vale para as parcas linhas que tratam dos povos indígenas, as inúmeras páginas ofertadas aos imigrantes europeus e asiáticos, o laconismo em relação ao migrante nor­destino, entre vários outros exemplos.

Nessa direção, é preciso destacar que a inclusão dos materiais de pesquisa como recursos educacionais abertos constitui um aporte funda­mental para a possibilidade de transformação desse cenário limitado dos materiais didáticos disponíveis. A pesquisa acadêmica tem se debruçado nas últimas décadas sobre muitos temas relativos ao Brasil, e o acervo de artigos e materiais de pesquisa dos grupos das universidades deveriam funcionar como um qualificado repositório de recursos passíveis de serem adaptados para usos educacionais em contextos variados.

O suporte digital, atualmente, facilita o trabalho de adaptação dos conteúdos. Na cultura digital, essa operação leva o nome de remix. Essa prática não é nova, apenas encontra mais facilidade nesse momento em que a digitalização dos conteúdos tornou-se uma operação relativamente simples e acessível. Há um ganho importante a se marcar nessa situação: os conteúdos, em si, perdem a aura de personagem principal; quem ganha a cena são os usos possíveis dos conteúdos e suas associações a novos elementos. Essa passagem é fundamental se pretendermos ir além da ideia de recursos educa­cionais abertos para alcançarmos um panorama mais amplo, que vislumbre a possibilidade de uma prática de aprendizagem aberta.

Compartilhamento de criatividade e conhecimento

Pensar em projetos que façam uso de REA na sua estruturação condiz com uma diretriz importante salientada nos marcos educacionais contemporâneos: a busca de interdisciplinaridade. Uma das críticas frequentes à escola nos mol­des da sociedade industrial é sua tendência a compartimentar o conheci­mento e oferecê-lo encapsulado, praticamente sem interação entre as chama­das disciplinas escolares. Propor a abertura dos recursos educacionais é tam­bém uma oportunidade de trabalhá-los fazendo uso conjunto de diferen­tes re­ferenciais disciplinares. Isso vale tanto na articulação para compreender um determinado fenômeno, quanto para a produção de outros recursos, que podem surgir como desdobramento de um projeto: textos, vídeos, softwares etc.

O enfoque interdisciplinar nos permite ganhos no compartilhamento do conhecimento e da criatividade dos diferentes profissionais e também dos alunos. Quando esse tipo de proposta aparece de forma genuína, ela emerge de discussões que surgem entre os educadores ou partem dos alunos e se mostram legítimas e compatíveis à inserção no currículo praticado.

Na prática que leva à concretização desse tipo de proposta, trata-se, por um lado, de selecionar e reunir os diferentes REA que servirão de ponto de partida – tendo em mente que outros poderão se agregar ao longo do cami­nho. Por outro, essas são atividades especialmente ricas para que os retornos da aprendizagem possam ser elaborados na forma de novos REA, igualmente fazendo uso de habilidades que ultrapassam as fronteiras disciplinares.

Muitas vezes, os projetos interdisciplinares se aproximam de temas que constituem situações sociais ou dilemas da ciência bastante próximos ao debate contemporâneo. Lançar mão de recursos variados para compreendê-los é, ao mesmo tempo, simples e relevante. Simples pelo fato de em alguns casos existir amplo material sendo produzido pela mídia – que pode oferecer ótimos exemplos da construção do discurso sobre o tema. Relevante porque a variedade das linguagens contribui com várias alternativas de acesso ao conhecimento.

Uma saída a campo com os alunos dificilmente prescinde da utilização de mapas, e faz muito sentido que o olhar para a cartografia não seja só dos geógrafos. A história, a biologia, a literatura, por exemplo, podem perfeita­mente utilizar mapas como recurso educacional. A leitura de obras de arte, igualmente, é largamente utilizada em diversas disciplinas. A fotografia é um dos casos clássicos, e cada vez mais o amplo acervo de imagens dialoga com a reflexão conceitual.

A qualificação abertos ao termo recursos educacionais, mostra-se fun­da­mental especialmente nesse ponto: é preciso simplificar o acesso, o uso e a circulação de produtos culturais em suas diferentes formas de expressão – fotos, filmes, sons, mapas, textos, programas – para fomentar uma prática edu­cacional que permita sentir-se à vontade para criar a partir de referências que inspirem. O conceito de copyright funciona como uma camisa de força nos processos educacionais e na vivência cultural.

A legislação atualmente em vigência já garante o direito ao uso de obras e trechos de obras, fato muitas vezes esquecido. A Lei de Direitos Autorais (nº 9610 de 1998) diz:


Artigo 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais:
VII – a reprodução, em quaisquer obras, de pequenos trechos de obras preexistentes, de qualquer natureza, ou de obra integral, quando de artes plásticas, sempre que a reprodução em si não seja o objetivo principal da obra nova e que não prejudique a exploração normal da obra reproduzida nem cause um prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores.
Artigo 47. São livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito.
Artigo 48. As obras situadas permanentemente em logradouros públicos podem ser representadas livremente, por meio de pinturas, desenhos, fotografias e procedimentos audiovisuais.

Assim, a abertura para que professores e alunos selecionem sem preo­cupação as obras e trechos de obras para incluí-los como elementos de um recurso educacional está garantida. Entretanto, repetidas vezes o que encontramos são avisos de proibição de uso intimidadores. A mentalidade restritiva é intensamente alardeada no país por instituições, empresas e herdeiros de artistas, que desaconselham a reprodução de itens que vão de obras literárias a imagens de esculturas expostas nas ruas das cidades.

Está em curso um processo de revisão da Lei nº 9610/1998, e sugestões foram encaminhadas para limitar as restrições aos usos educacionais de obras protegidas por copyright. Essa discussão torna-se ainda mais relevante no contexto da disseminação da cultura digital. Os planos de aula, as apre­sentações, os trabalhos dos alunos, todos esses produtos podem perfeitamente tornar-se recursos educacionais abertos e circularem na rede para o uso de outros educadores e alunos. E não temos nenhum controle sobre a circulação e a audiência que eles terão – talvez sejam altas. Se o que desejamos é esti­mular o intercâmbio e o compartilhamento dessas produções, é preciso tirar do caminho impedimentos legais que possam vir a constranger esse trabalho.

REA e a cultura da participação

A adoção de REA pode operar como estratégia para superação de um modelo de passividade nas práticas educacionais escolares, tanto no que diz respeito à atuação dos professores, quanto na dinâmica dos alunos. Colocar-se diante dos recursos didáticos – e o livro aí incluído – como quem pode transformá-lo é um passo essencial para uma postura mais autoral em relação ao próprio trabalho, e para romper com uma expectativa de alunos que sejam consu­mi­dores acríticos de blocos de informação.

Afinal, para o professor, promover a aprendizagem é colocar-se a cada ano diante de novos alunos, com reações inesperadas às propostas de trabalho que temos a lhes oferecer, em contextos históricos que variam. E, dessa forma, não se trata apenas de um professor que se coloca como promotor da apren­di­zagem de outrem, mas como alguém que aprende também, mediado por aquele coletivo que pergunta, que comenta, que reage de formas diferen­ciadas aos estímulos que trazemos.

Um professor que adota uma postura dialógica em relação aos recursos que utiliza sabe que, ao final de uma apresentação, ele provavelmente sentiria o impulso de modificar o que havia preparado. A reação de seus alunos gera novas ideias e a demanda de aperfeiçoamentos, inserção de novos dados, maior clareza nos argumentos, associação a outras referências citadas. Caso aceite fazer isso, o professor terá incorporado um pouquinho de seus alunos nesse recurso, e eles se tornam, portanto, autores indiretos do novo material.

O mesmo podemos dizer em relação aos instrumentos de avaliação utilizados: o que é produzido pelos alunos nos trabalhos solicitados ou mesmo as respostas por eles redigidas em uma prova adquirem outra dimensão caso recebam o olhar de mais pessoas. Trata-se de ir além do foco avaliativo, da comprovação do aprendizado, e apreciar esses textos, cartazes, vídeos, como recursos educacionais em si.

Cito alguns exemplos práticos. Um excelente exercício ao lidar com cor­reção coletiva de provas é apresentar aos alunos algumas respostas que foram dadas à questão – de preferência mais de uma, elaboradas em sua pró­pria linguagem, mostrando a variedade de possibilidades, caminhos distintos de resolução, bons argumentos utilizados, ideias que eram interessantes e ficaram incompletas. Essa elaboração do aluno, assim, sai do diálogo restrito entre o professor e o aluno individualmente para ganhar um importante papel no diálogo daquele coletivo. Com evidente cuidado nas escolhas e ética na exposição, esse tipo de atividade possui outros desdobramentos interessantes no grupo, como a valorização de vozes de alunos que pouco aparecem na dinâmica em sala.

Outro exemplo está ligado às propostas que fazem uso de fotos e vídeos como forma de rearticular a problemática de um curso. Não há limites para o tamanho do acervo de imagens que pode ser produzido por estudantes do Brasil inteiro com o uso de câmeras digitais ou mesmo de celulares. Essas produções, tomadas como REA e colocadas na rede, enriquecem exponen­cialmente nossa possibilidade de conhecimento sobre o país.

A possibilidade de intercâmbio e a ampliação de acesso a referências culturais variadas são também pontos que merecem destaque. Para quem vive nos grandes centros urbanos, é mais fácil ter acesso a visita a arquivos, museus, boas bibliotecas, acervos de filmes e música. Para quem vive distante, a oferta de recursos é mais limitada, e o impacto que o acesso à internet pode ter em termos da variedade das opções didáticas é enorme. Por outro lado, como uma via de mão dupla, há muito da experiência da vida em comuni­dades mais distantes que representa contribuições de peso para uma com­preensão melhor do país. Algumas iniciativas envolvendo comunidades indígenas, por exemplo, têm procurado no uso da internet a criação de um canal de expressão e de comunicação com o resto da sociedade mais direto e menos mediado.

A disseminação de uma cultura de uso de recursos educacionais abertos na educação básica passa pela inclusão dos alunos na cadeia de autoria, seja nas atividades regulares associadas ao currículo, seja estimu­lando iniciativas autônomas de produção de conteúdo em atividades complementares – a produção dos grêmios, os saraus literários, os festivais de bandas, os grupos de ciência, os times de modalidades esportivas diversas etc. De certa forma, seria como se a escola reconhecesse todas as experiências como válidas na trajetória de formação de seus alunos, e pudesse fazer uso dessas narrativas – vídeos, fotos, textos, sons – na documentação de seu percurso institucional.

Saindo das pastas dos professores e das gavetas dos alunos para povoar a rede, associados a licenças abertas e indexados de forma a facilitar sua localização, a produção dos sujeitos da aprendizagem na escola pode assumir sua função social de elos na cadeia da construção do conhecimento. Esse é o momento de realimentação do acervo de REA na internet, permitindo a abertura de outros ciclos de inspiração e produção.

 

Referências

GIORDAN, M. A internet vai à escola: domínio e apropriação de ferramentas culturais. Educação & Pesquisa, v.31, n.1, p. 57-78, mar., 2005.. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n1/a05v31n1.pdf Acesso em: 26/01/2012
JENKINS, H. Os Sentidos Da Convergência. Revista Contracampo, n. 21, Entrevista concedida a Vinicius Navarro, 2010. Disponível em: http://www.uff.br/contracampo/index.php/revista/article/viewArticle/77 Acesso em: 28 jan. 2012.
LEVY, P. Tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Ed 34, 1997.
MUNAKATA, K. Livro, livro didático e forma escolar. In: DALBEN, Angela I. L. F. (Org.) Convergências e tensões no campo da formação do trabalho docente. Belo Horizonte, Autêntica, 2010, p.219-233. (Textos selecionados do XV Endipe)
PRETTO, N. L., SILVEIRA, S. A. (Org.) Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. [online]. Salvador: EDUFBA, 2008. 232 p. Disponível em: http://books.scielo.org.
STAROBINAS, L. ; MANCEBO, E. ; LOCATELLI, S. O uso de ferramentas da Web no Ensino Médio da Escola Vera Cruz, 2008. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/6218217/O-Uso-de-Ferramentas-Da-Web-No-Ensino-Medio-Da-Escola-Vera-Cruz Acesso em: 26/01/2012

 

__

 

Lilian Starobinas

Historiadora, professora de história no Ensino Médio da Escola Vera Cruz, pesquisadora do tema Tecnologias Digitais, Educação e Sociedade. Membro de diversos projetos de colaboração em redes digitais. Doutora em Educação pela FE-USP (2008), Mestre em História Social pela FFLCH-USP (1992). Criadora do site www.webhistoria.com.br. Produz o blog Discurso Citado. lilians@usp.br | http://discursocitado.blogspot.com


                                                      

8 comments on “REA na educação básica: a colaboração como estratégia de enriquecimento dos proces­sos de ensino-aprendizagem

  1. Pingback: URL

  2. ana raquel nazario on said:

    gostei e foi de grande valia para um trabalho da universidade.

    • Danilo on said:

      É de grande valor este conhecimento, visto que muitos ainda não entendem o conceito correto de ensinar e aprender nesta nova modalidade em que a educação se encontra. Desejo à todos que aprendam cada vez mais, para provocar o intelectual dos alunos a pensarem de forma critica com maior frequência, e assim chegarmos ao nível de discutirmos no campo das ideias a educação real e deixarmos de ser filhos do “Sistema Cartesiano”

  3. Claudia on said:

    Os recursos abertos são instrumentos que podemos utilizar, modificar, acrescentar, criar, adaptar conforme as necessidades dos nossos alunos.Explorando a interdisciplinariedade e compartilhando ideias com o objetivo de estimular a criatividade e ampliar os conhecimentos.

  4. Daniel on said:

    As escolas e os gestores escolares precisam se preparar para dialogarem positivamente com a nova geração de professores, que valoriza e procura utilizar os REA, em contraposição com o pensamento maioritário na antiga geração, que apenas considera essenciais um giz, um livro e uma lousa.

  5. Pingback: sorvudera

  6. Pingback: persian-pele

  7. Pingback: Real Estate in Istanbul

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

109,197 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

online work order software zombie book