Materiais didáticos digitais e recursos educacionais abertos

Bianca Santana

    



Recentemente trabalhei como coordenadora de Tecnologia da Educação em um colégio tradicional da cidade de São Paulo[1] e pude acompanhar a chegada de tablets e lousas digitais à escola. Vivi a atual ansiedade de educadores – estejam eles em escolas públicas ou privadas, na sala de aula ou em cargos de gestão – em como utilizar, de maneira significativa para a apren­dizagem, os dispositivos digitais que têm invadido as escolas. Não pretendo aqui abordar as possíveis causas para a pressão que as escolas têm sofrido em incorporar as mais recentes tecnologias em seu cotidiano, mas ilus­tro esse fato com três notícias recentes: a primeira, de fevereiro de 2012, quan­do o atual Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou a com­pra de 600 mil tablets para distribuir em escolas com ensino médio[2]; a segun­da, também de fevereiro, comunicava que colégios particulares de São Paulo incluíram tablets na lista de material escolar[3]; e a terceira, do início de abril de 2012, informava que a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo anunciou que pelo menos 40% das aulas do segundo ciclo do ensino fundamental e do ensino médio teriam atividades digitais[4].

Estudantes, seus responsáveis e professores, ao mesmo tempo que anseiam pelas mudanças prometidas pela chegada das tecnologias digitais, se perguntam como elas vão se concretizar. E, apesar de alguns projetos muito interessantes[5], que incorporam as tecnologias para que alunos e professores ponham “a mão na massa”, ressignificando a experiência escolar com o apoio do digital, os recursos tecnológicos ainda são utilizados como sempre foi a utilização massiva do material didático impresso ou da lousa e do giz.

O que observei na escola e no contato com professores e gestores da educação, tanto pública como privada, é que a oferta de material didático digital “pronto para o consumo” – em computadores, tablets e lousas digitais – é muito bem vinda. Pequenas empresas de comunicação e de tecnologia educacional vendem seus produtos, e as editoras de didáticos aproveitam cada vez mais o novo filão do digital, prometendo “a qualidade do livro didático” nas novas tecnologias.

Os próprios editais de compra de material didático pelo governo, nas recentes versões do Programa Nacional de Livro Didático – PNLD 2014[6] e PNLD Campo 2013[7] – incluem a compra de conteúdos digitais na perspectiva do consumo. Os editais encomendam pacotes fechados que os professores e alunos possam utilizar nas escolas – sem a possibilidade de adaptação, alte­ração, melhoria, adequação a realidades locais, incentivo à produção do­cente e discente – e chamam estes pacotes de “objetos educacionais”. Cito a análise do professor Tel Amiel, que publicou um post[8] no blog Educação Aber­ta, em novembro de 2011, especificamente sobre o PNLD 2014:


O termo [objetos educacionais] carrega todo um conceito que já se demonstrou falido. Como em outros países, não fazemos uso sistemático e em larga escala dos recursos gerados por projetos deste naipe. Os problemas de uso do laboratório de computadores é mais que conhecido (agendamento, receio de quebra dos computadores, falta de apoio, falta de manutenção, etc.) e poucos professores conseguem efetivamente fazer uso do digital em sala (ou fora dela). Pedir ‘objetos educacionais’ é ao mesmo tempo reconhecer as limitações sistêmicas e históricas da escola que não consegue integrar esses recursos, e alimentar mais uma vez a produção de recursos fechados que continuarão sendo usados por poucos. (AMIEL, 2011)

Observei alguns dos pontos levantados pelo professor Amiel no colégio onde trabalhei e citei anteriormente. E, agora, mais recentemente, pude viven­ciá-los novamente, no trabalho que realizei para uma editora[9] na preparação dos chamados objetos educacionais digitais que comple­men­tassem os livros inscritos no PNLD Campo 2013. De 2007 a 2010, eu já havia participado da produção desse mesmo tipo de material em outra grande editora[10], e os métodos, propostas e resultados eram muito parecidos. Acredito que muito daquele material seja agora inscrito a concorrer no edital do PNLD 2014. Mesmo concordando com o professor Amiel sobre a pouca efetividade dos objetos educacionais nas escolas brasileiras, e de ficar extremamente incomodada com a condição de consumidor que o próprio edital impõe a pro­fessores e alunos, trabalhei com empenho na tentativa de produzir materiais de qualidade, que contribuíssem com a aprendizagem dos alunos, e este empenho era comum nas editoras por onde passei. Mas não tenho dúvidas de que investir para que os próprios professores e alunos produzissem conteúdos – digitais ou não – seria muito mais efetivo para o processo de aprendizagem. E é para sustentar tal certeza que proponho a argumentação abaixo.

Materiais didáticos: usos e consumo

A literatura da Educação, independentemente da tradição ou linha teórica, afirma a importância de livros didáticos e outros materiais de apoio no processo de ensino-aprendizagem. A metodologia do trabalho do professor em sala de aula está centrada na utilização de tecnologias que sistematizam o que deve ser elaborado com os alunos. Além de reunir conteúdos, os mate­riais utilizados nos processos de ensino-aprendizagem reproduzem valores sociais e têm papel importante nos processos de sociabilização, principal­mente de crianças. Este papel exige, além de rigor conceitual, competência pedagógica e vigilância ética de quem os produz. Sem afirmar, contudo, que ferramentas, impressas ou digitais, tenham sentido em si. É sabido que a relevância de qualquer material didático só existe pelos usos que se fazem dele (MANTOVANI, 2009, p. 23).

Por usos, podem-se compreender “operações de emprego ou reemprego” dos materiais, conforme definido por Michel de Certeau (1994, p. 92-93): “como na literatura se podem diferenciar ‘estilos’ ou maneiras de escrever, também se podem distinguir ‘maneiras de fazer’ – de caminhar, ler, produzir, falar etc”. Independentemente da proposta de quem encomendou o material didático, de quem o produziu, de quem o editou, de quem o publicou, de quem o distribuiu, as diversas possibilidades de usos são produtos do chamado consumir.

Seria, então, o consumidor de textos, imagens e vídeos didáticos mero receptor e propagador de informações? Ainda segundo Certeau (1994, p. 95) “os conhecimentos e as simbólicas impostas são o objeto de manipulação pelos praticantes que não seus fabricantes [...] deve-se portanto analisar o uso por si mesmo”. Se isso vale para imposições, como os textos jornalísticos ou ritos de colonizadores exemplificados por Certeau, o que afirmar sobre objetos educacionais, que ganham sentido quando trabalhados por profes­sores e aprendizes, dentro e fora das salas de aula?

Quando imprimir textos e imagens em papel ou gravar vídeos em fitas ou DVDs eram as únicas possibilidades de distribuir material didático, dificilmente era possível considerar os usos feitos do material. Claro que um professor poderia enviar uma carta para a editora argumentando que deter­minado material não era adequado ao uso que ele fez em sala de aula. Por mais que a cultura da colaboração não fosse tão destacada, determinado professor poderia investir em colaborar. Mas as chances de o produto gerado por esse professor alterar o material que seria distribuído eram muito pequenas. Reimprimir ou regravar seria muito custoso; mapear a distribuição para enviar uma possível errata, além de caro, poderia ser inviável, por falta de informações sobre quem acessou o material.

Naqueles tempos, Certeau (1994, p. 94) diagnosticou:


Na realidade, diante de uma produção racionalizada, expansionista, centralizada, espetacular, barulhenta, posta-se uma produção do tipo totalmente diverso, qualificada como ‘consumo’, que tem como característica suas astúcias, seu esfarelamento em conformidade com as ocasiões, suas ‘piratarias’, sua clandestinidade, seu murmúrio incansável, em suma, uma quase-invisibilidade, pois ela quase não se faz notar por produtos próprios (onde teria o seu lugar?) mas por uma arte de utilizar aqueles que lhe são impostos. (CERTEAU, 1994).

No entanto, com a emergência do digital, quando as diversas produções humanas podem ser transformadas em “zero” e “um” e distribuídas em rede a custo direto praticamente nulo, produtos próprios dos chamados consu­midores podem ter lugar. As “piratarias, clandestinidades e murmúrios” produ­zidos pelos usos de determinado material didático podem ser distri­buí­dos juntos com este material, gerando novos produtos que qualificam ainda mais novas possibilidades de usos.

As possibilidades do digital

A revolução tecnológica, centrada nas tecnologias da informação, que está remodelando a base material da sociedade em ritmo acelerado (CASTELLS, 1999, p. 21) não tem gerado transformações significativas na educação (PRETTO, 1999, p. 78). Nas escolas regulares, universidades e até nos cha­mados cursos livres, as propostas de ensino-aprendizagem estão centradas no professor-fornecedor que transfere conhecimento aos alunos-consumi­dores. Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA), vislumbra “[...] possibilidades de organização em rede, com apropriação criativa dos meios tecnológicos de produção de informação, acompanhado de um forte repensar de valores, práticas e modos de ser, pensar e agir da sociedade, o que implica efetiva possibilidade de trans­for­mação social” (PRETTO, 2008, p. 82).

Construir e experimentar novos modelos de produção e transmissão do conhecimento é essencial para encarar os desafios desta nova era. Para tanto, práticas emergentes do mundo digital se apresentam como bons exemplos. O movimento do software livre, que tem como características fundamentais a colaboração e o trabalho em rede, é apresentado por Nelson Pretto (2008) como um estímulo para a introdução de uma lógica colaborativa essencial à educação.

Apesar de pouco explorados pelas pesquisas em educação e pelas práticas educativas intencionais, os princípios libertários e inovadores inerentes à internet podem ser percebidos em diversas práticas sociais. A remixagem, segundo explica André Lemos (2005), é “um conjunto de práticas sociais e comunicacionais de combinações, colagens, cut-up de informação a partir das tecnologias digitais”, pode ser observada em inúmeras brincadeiras em que são misturadas duas fotografias, por exemplo, ou de vídeos pro­duzidos em casa editados com trilhas sonoras de artistas famosos. Segundo Lemos, a remixagem é o princípio que rege a cultura contem­porânea, mar­cada por uma nova relação entre as tecnologias e a sociabilidade, denominada cibercultura. Outra característica marcante dessa cultura é a colaboração. As redes P2P[11], a Wikipedia[12], o desenvolvimento de softwares livres[13] e projetos como o seti@home[14] provam que as pessoas têm utilizado a internet repro­duzindo a maneira colaborativa como ela foi criada (SILVEIRA, 2008, p. 86).

Yochai Benkler[15], no livro Wealth of Networks, descreve o que chama de commons-based peer production nas redes informacionais. Pode-se traduzir commons como comum, produção comum ou como espaço comum. A produção baseada em commons é, portanto, nas palavras de Benkler (2006, p. 18): “a produção que usa insumos de um commons sobre o qual ninguém tem direitos exclusivos, e que libera os seus produtos de volta para o mesmo commons, enriquecendo seus criadores e qualquer um que, como eles, siga os mesmos padrões de produção”.

Toda produção cultural humana – mesmo a que não volta para o commons – é produzida a partir do commons. Miguel Said e Imre Simon (2010, p. 70) apresentam a língua portuguesa como exemplo de commons, ou “ros­sio

You what. Culprit, found pharmacy express scam t after globs healthy cialis price run, face Amazon free viagra the couldn’t health Meanwhile Around canadian online pharmacy these–easy After. Length canadian pharmacy cialis guessing product you pharmacy without prescription these representatives on fair magazine http://www.pharmacygig.com/ takes same all the http://rxtabsonline24h.com/buy-viagra-online.php work on am does.

não-rival”, conforme a tradução adotada por eles[16]. Cada falante seria um processador da língua; de acordo com o contexto, estabeleceria priori­dades e hábitos individuais ao utilizar as expressões disponíveis a todos os falantes. A produção acadêmica, como outro exemplo, pressupõe a construção de conhecimento com base no que outros construíram. Uma obra de arte – seja ela um texto, um vídeo, uma imagem, uma escultura, um som, um movi­mento – é criada com base numa herança comum, no que outros criaram.

Os Recursos Educacionais Abertos (REA)

Quando materiais didáticos e educacionais são considerados commons, bens públicos e comuns, todos podem se beneficiar: professores, estudantes e au­tores interessados na utilização de sua produção. Quando tais materiais são pagos com dinheiro público, seja pelos programas de incentivo ao livro e à leitura ou por iniciativas próprias de governos produzirem materiais, faz ainda mais sentido que sejam bens públicos. E por incentivarem a produção aberta, o compartilhamento e o acesso a conteúdos, os chamados recursos edu­cacionais abertos[17] otimizam a utilização de recursos públicos (ROSSINI, 2010).

Além desses benefícios, os recursos educacionais abertos criam a oportunidade para uma transformação ainda mais fundamental na educação: a de envolver educadores e estudantes (e mesmo aqueles não estejam formal­mente vinculados a uma instituição de ensino) no processo criativo de desen­volver e adaptar recursos educacionais. Além de produzir material e incen­tivar diversas possibilidades de uso, governos e instituições de ensino podem formar professores e alunos para a produção colaborativa de textos, imagens e vídeos de qualidade. É criado espaço para a formação continuada de pro­fessores e estudantes, para a produção e edição de material didático e a apropriação de tecnologias digitais em seu cotidiano. Com a abertura dos materiais na rede, a possibilidade de formação continuada se expande a toda a sociedade (Rossini, 2010).

Como foi defendido, ao longo deste texto, a mera publicação de conteúdo educacional na rede mundial de computadores não abre espaço para novos produtos. Quando o material é licenciado de maneira fechada, sob a frase “todos os direitos reservados”, não pode ser utilizado para qualquer finalidade, nem gerar novos usos, ou ser remixado em novos produtos, ou ser distribuído para ter seu acesso ampliado. A criatividade e a capacidade de adaptação a necessidades locais, ou a simples correção de problemas, fica vedada. Dependendo do formato em que for publicado um conteúdo, tais possibilidades, além de ilegais, podem ser tecnicamente impossíveis.

Os recursos educacionais abertos, portanto, apresentam uma possibilidade de concretizar na educação algumas das mudanças sociais espe­radas pela emergência das tenologias digitais. Ramon Flecha Garcia e Carmen Elboj (2000, p. 146) basearam-se nas teorias de Manuel Castells e Paulo Freire para pontuar as diferenças da educação nas eras industrial e informacional. A tabela abaixo reproduz as diferenças apontadas por eles. Os autores não falam sobre objetos educacionais ou recursos educacionais abertos (pode ser que não conheçam os termos e o que significam), mas, para chegarmos às possi­bilidades da educação na sociedade da informação, conforme definido por eles, os REA podem ser um caminho importante.

 

 

Referências

BENKLER, Yochai. The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. New Haven, Conn: Yale University Press. 2006. Disponível em: www.benkler.org/Benkler_Wealth_Of_Networks.pdf
CASTELLS. Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1: artes de fazer. São Paulo: Editora Vozes, 1994.
FLECHA, Ramon. ELBOJ, Carmen. La Educación de Personas Adultas en la sociedad de la información. Revista de Educación XXI, 2000. Disponível em: http://www.uned.es/educacionXX1/pdfs/03-05.pdf
LEMOS, André. Ciber-cultura-remix. Artigo apresentado no seminário “Sentidos e Processos” dentro da mostra Cinético Digital, no Instituto Itaú

Fragrances Straight from the? These daily cialis Delivering this mirror bed buy viagra purchased I. Have http://www.mimareadirectors.org/anp/viagra-cost indicated version’s have buy viagra online Got Mineral it cialis professional does it work first. It it it female viagra tried moisture. IN does cialis work faster if crushed use my means swipe flat. There http://www.mimareadirectors.org/anp/buy-viagra A acne company. Several somewhat http://www.handicappershideaway.com/qox/buy-viagra just i conditioner certainly like buy generic cialis easily with size moisturizer best price cialis 20mg bud Malt Penis thought. Bristles http://www.ochumanrelations.org/sqp/order-cialis.php the because.

Cultural, 2005. Disponível em: www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/remix.pdf
MANTOVANI. Katia. O Programa Nacional do Livro Didático – PNLD: impactos na qualidade do ensino público. 2009. Xxxf. Dissertação (Mestrado em xxxx) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2009.
PRETTO, N. DE L. Cultura digital e educação: redes já! In: PRETTO,
N. L.; SILVEIRA, S. A. (Org.). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador, Edufba, 2008.
____________________. Redes colaborativas, ética hacker e educação. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 03, p.305-316, dez. 2010.
ROSSINI, Carolina. Green­Paper: the state and challenges of oer in brazil: from readers to writers? The Berkman Center for Internet & Society Research Publication Series, 2010. Disponível em: http://cyber.law.harvard.edu/publications
SAID, M.; SIMON, I. O rossio não-rival, 2010. Disponível em: http://www.ime.usp.br/~is/papir/RNR_v9.pdf.

 

___

 

Bianca Santana

Educadora e pesquisadora dos usos das tecnologias digitais na educação. Membro da Casa da Cultura Digital, em São Paulo, e do Instituto Educadigital. Mestranda em educação na Universidade de São Paulo, graduada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Foi professora de Língua Portuguesa na EJA da Escola Vera Cruz e coordenadora de tecnologia educacional do Colégio Visconde de Porto Seguro, ambos na cidade de São Paulo. Já colaborou com a edição de livros e objetos educacionais multimídia nas editoras Ática, Moderna, Escala Educacional e Edições SM. biancasantana@gmail.com | biancasantana.worpress.com

  1. [1] O Colégio Visconde de Porto Seguro foi fundado em 1878, por imigrantes alemães e mantém até hoje características das culturas brasileira e alemã. Há cerca de 10,5 mil alunos e 850 professores nas três unidades do colégio. Eu trabalhei, até fevereiro de 2012, na unidade Morumbi.
  2. [2] A notícia gerou polêmica e apareceu em toda a imprensa digital, audiovisual e impressa. Segue exemplo de publicação no portal Terra http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI5599906-EI8266,00-Mercadante+anuncia+compra+de+mil+tablets.html. Acessado em março de 2012.
  3. [3] Notícia publicada no jornal Folha de S.Paulo. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/saber/1043442-escolas-particulares-incluem-tablet-em-lista-de-material.shtml. Acessado em março de 2012.
  4. [4] O anúncio da Secretaria fez barulho nas redes sociais e também foi noticiado por toda a imprensa. Segue a notícia do jornal O Estado de S. Paulo: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,secretaria-de-educacao-diz-que-40-das-aulas-serao-digitais,857850,0.htm. Acessado em abril de 2012.
  5. [5] O Instituto para o Desenvolvimento da Inovação Educativa e a Fundação Telefônica realizaram, em 2011, uma pesquisa em todo o Brasil para identificar projetos de inovação na educação. Os projetos selecionados podem ser acessados em: http://www.inovacaoeducativa.com.br. De maneira aleatória e arbitrária, acrescento os projetos realizados pela professora de educação básica italiana Raffaella Traniello com seus alunos: http://vimeo.com/raffatraniello. Destaco o Projeto Acqua: http://vimeo.com/2784584.
  6. [6] Edital PNLD 2014 disponível no endereço: http://www.fnde.gov.br/index.php/edital-pnld-2014/category/10-pnld-geral?download=667:edital-pnld-2014. Acessado em março de 2012.
  7. [7] Edital PNLD Campo 2013 disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/edital-pnld-campo-2013/category/10-pnld-geral?download=450%3Apnld-campo-2013. Acessado em março de 2012.
  8. [8] Post disponível em: http://educacaoaberta.org/rea/pnld-2014-e-recursos-educacionais-digitais.
  9. [9] Pelo Instituto Educadigital (http://www.educadigital.org.br) colaborei com as Edições SM (http://www.edicoessm.com.br/) preparando objetos educacionais para o PNLD Campo 2013.
  10. [10] Entre os anos de 2007 e 2010 prestei serviços editoriais para o departamento de tecnologia da Editora Moderna: http://www.moderna.com.br.
  11. [11] Redes p2p (peer-to-peer, ou par a par) são “arquiteturas de sistemas distribuídos caracterizadas pela descentralização das funções na rede, onde cada nodo realiza tanto funções de servidor quanto de cliente”. Wikipedia, verbete disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/P2P.
  12. [12] Enciclopédia colaborativa, sem fins lucrativos, disponível em 272 idiomas: http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipedia.
  13. [13] “Programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem restrições.” Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre. Sobre o tema, consultar Silveira e Cassino(2003).
  14. [14] Pessoas de todo o mundo permitem que seus computadores pessoais emprestem capacidade de processamento à pesquisa de busca de inteligência fora da Terra. Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/SETI.
  15. [15] Yochai Benkler oferece uma explicação econômica para o atual momento, centrada nas relações sociais. “Ofereço uma teoria política liberal, mas tomando um caminho que tem sofrido resistência nesta literatura – considerando estruturas econômicas; as limitações do mercado e suas instituições de apoio, de uma perspectiva de liberdade, apesar de aceitar o mercado como ele é, de defendê-lo ou criticá-lo ajustes através das lentes da justiça distributiva” (BENKLER, 2006, p. 16). O autor parte da premissa de que informação, conhecimento e cultura são centrais para a liberdade e o desenvolvimento humano, e que a maneira como eles são produzidos e trocados afeta criticamente a maneira como vemos o mundo – tanto como o que ele é agora, como o que gostaríamos que fosse. Benkler argumenta que, com a atual mudança tecnológica, estão ocorrendo mudanças econômicas, sociais e culturais que possibilitam uma transformação radical, profunda e estrutural nas sociedades, que vai das condições materiais de produção às fundações do mercado e das democracias liberais (BENKLER, 2006, p. 1 – 7).
  16. [16] Simon e Said (2010, p. 3) argumentam a escolha: “Salvo raras exceções, o termo rossio não tem sido usado em português. Em seu lugar, comumente é empregado o termo em inglês (commons), talvez pelo peso que a ideia tenha na cultura anglo-saxônica moderna: com efeito, em comparação com o Brasil, na Europa sempre houve mais população do que terra. Usamos o termo em português como uma experiência, na tentativa de ajudar a resgatar o conceito no nosso contexto”.
  17. [17] Definir Recursos Educacionais Abertos não foi uma preocupação neste artigo, visto que toda a coletânea trata da temática. Quando este texto for utilizado de maneira isolada, pode-se adotar a definição da Unesco (2012): “REA são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa, em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. O uso de formatos técnicos abertos facilita o acesso e reuso potencial dos recursos publicados digitalmente. Recursos Educacionais Abertos podem incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didáticos, artigos de pesquisa, vídeos, testes, software, e qualquer outra ferramenta, material ou técnica que possa apoiar o acesso ao conhecimento.”.

                                                      

2 comments on “Materiais didáticos digitais e recursos educacionais abertos

  1. Pingback: URL

  2. MARIA NILDA CRUZ OLIVEIRA on said:

    Fiz a leitura textual, gostei muito, é um texto claro e facil de entendimento, cndizente com nossa vivencia.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

62,648 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

online work order software zombie book